Logo IEADCEMAR

Missão Urbana

O conceito de Missão da Assembléia de Deus em Maringá e Região

O conceito de Missão da Assembléia de Deus em Maringá e Região

A missão da igreja em Maringá avança. Muitas Vitórias alcançaremos pela graça do Senhor! Lembrando que quanto mais o tempo avança, mais se aproxima a bem-aventurada esperança do povo de Deus: a segunda vinda de nosso amado Senhor Jesus! Entendemos, geograficamente, a MISSÃO em três dimensões: 
Urbana, Nacional e Internacional.

Nossa Missão Urbana

Com a graça de Deus, no poder do Seu Espírito Santo, somos muito significativos, como Igreja de Jesus Cristo na face da Terra. Alguns se comportam como se fossem parte de uma minoria insignificante que podem apenas se defender dos ataques do inimigo até que o Senhor Jesus venha. Eu estou vendo a igreja no final dos tempos de uma forma totalmente diferente: Creio que cada um de nós compõe um exército sobremaneira grande, e que vai mover as portas do inferno e proclamará a cada nação da terra o senhorio de Cristo. Depois disto, que o nosso Senhor venha buscar o Seu povo, como Ele próprio nos prometeu em mais de trezentos versículos no Novo Testamento.

Prova de que Deus nos dará vitória é que nossa igreja tem crescido numericamente; estamos autonomizando subcongregações, elevando-as a posição de congregação; e estamos plantando outras novas igrejas; vamos aprimorar nosso discipulado cada vez mais e batizarmos novos crentes e recebemos todos os meses dezenas de pessoas que estão vindo de outras denominações ou que estavam afastados de nossa igreja mesmo, ou seja, o Senhor tem usado os assembleianos de Maringá para inserir novos membros no corpo de Cristo. Estamos construindo e reconstruindo novos templos e reformando outros. Hoje estamos com 73 lugares de cultos na Região Metropolitana de Maringá com mais de 200 cultos semanais.

Com a graça de Deus, conforme sempre ensina o Pr. Robson Brito (pastor presidente da IEADM) "aprendemos com o nosso amado Presidente Emérito Pastor João Barbosa de Macedo sobre a administração conjunta, vamos regaçar nossas mangas e trabalhar alegremente de modo que cumpramos a Missão de Deus no globo terrestre. Para cumprirmos esta missão, no ano de 2007, não vou criar nenhum slogan novo e nenhum lema diferente além daqueles que junto com os cooperadores e cooperadoras dos treze municípios do Campo Eclesiástico de Maringá construímos em assembléia geral no dia 21 de agosto de 2005".

Na ocasião, elaboramos uma declaração missionária que pode motivar nossas ações com base em várias passagens bíblicas, especialmente, a do Grande Mandamento e das referências da Grande Comissão. Também nos servimos dos Índices de Desenvolvimento Humano de nossa região; bem como outros dados relevantes fornecidos pelo IBGE. No poder do Espírito Santo e debaixo de oração, resolvemos não agir motivados unicamente por tradições, por qualquer que sejam as personalidades, nem por finanças, nem por nenhuma pessoa em particular ou por quaisquer programas; mas sim, deliberamos agir à luz das intenções para as quais Deus estabeleceu para as igrejas locais no Novo Testamento.

Assim, nossa declaração de propósito é:

"A Assembléia de Deus na região metropolitana de Maringá existe para agir no poder do Espírito Santo, para resgatar vidas, introduzi-las na família de Deus, motivá-las à maturidade com Cristo em todas as dimensões do ser humano, desafiá-las a encontrar seus dons e talentos bem como para honrar a Deus com suas vidas".

Que Deus nos ajude a cumprir, pela sua graça, estes santos desígnios! Fica claro nesta declaração os cinco propósitos simultâneos e interdependentes do Novo Testamento para a Igreja de Cristo:

Cada ação desta, não é uma mera atividade que a igreja tem que fazer; é na verdade a missão, a natureza dela, o porquê ela existe. Assim, como o sol não brilha porque é sua atividade brilhar, ele brilha porque é da sua natureza, brilhar, produzir calor e vida; a igreja não evangeliza, adora, serve e edifica porque é sua tarefa fazê-lo, ela deve fazer simultaneamente tudo isso porque esta é sua natureza. Como mel não é doce porque é sua atividade sê-lo, mas o é porque é sua natureza; da mesma forma que o limão não é azedo porque é sua atividade sê-lo; seu azedume diz respeito à sua própria natureza; assim também, o salvo não adora, evangeliza, edifica e serve porque é sua obrigação forçada, mas sim, porque é da sua natureza como filho de Deus agir assim. Se não age conforme esta natureza não é salvo.

Por isso, sempre tenho pregado e ensinado que a Missão é pessoal. A Missão é local. A Missão não é somente a vontade de Deus para a igreja como um todo, como uma instituição, mas a missão é o plano de Deus para cada membro que a constitui. Nessa perspectiva, Jesus não veio chamar só crentes, o Senhor veio chamar discípulos comprometidos com sua obra! E o ide de Jesus é um imperativo pessoal, dirigido a todos os discípulos individualmente. Alguém inspirado já disse:

"Onde há um discípulo, há um missionário, e onde há uma pessoa que não vê Cristo como Senhor, há um campo missionário".

Nesse sentido, Deus me ordenou que eu enfatize também o conceito de Missão Urbana que Ele mesmo me deu: Missão Urbana é a revelação que Deus faz de si mesmo, pois Ele ama as cidades e quer salvá-las, em Cristo Jesus, pela Sua graça por meio da fé, tendo o Seu povo como Sua própria manifestação na cidade, visto que cada membro da Igreja participa da natureza divina.

Assim, querido irmão e querida irmã, adorar, evangelizar, edificar e servir, simultaneamente deve algo natural, espontâneo em nossa vida cristã. Nesse aspecto tenho ensinado o povo de Deus que nós não temos que servir só a Deus e a nossa igreja. Se cumprirmos com a natureza que Deus nos deu, iremos servir a sociedade e assim como a igreja primitiva de Jerusalém "cairemos na graça de todo o povo". Explico: Jesus não morreu apenas pelas nossas igrejas locais. Ele morreu por todo o mundo. Da mesma forma, Ele não serviu somente o colégio apostólico, nem somente os setenta discípulos que enviara, nem unicamente os pobres da Galilélia ou os que se simpatizavam com Ele da Judéia, na verdade, o Filho de Deus serviu a todo o mundo do seu tempo (até mesmo aqueles que aplaudiram sua crucificação). Logo, seus seguidores também têm a obrigação não somente de servir seus irmãos de fé, mas também de prestar serviços às pessoas que estão no mundo, especialmente os oprimidos, de modo que eles glorifiquem o nome de Deus e, conseqüentemente, reconheçam que Cristo é o Senhor e Salvador.

Deus quer que as pessoas de toda a Região de Maringá olhem para os nossos templos não como prédios que servem somente para um grupo seleto de seres estranhos, mas olhem nossos santuários e os considerem como lugares relevantes na sociedade onde estão inseridos. Jesus foi o ser humano que mais serviu (Ele serviu até os que gritaram por sua crucificação). E as suas palavras ainda ecoam em nossa consciência: "aprendei de mim que sou manso e humilde de coração".

Para ilustrar meu pensamento, quero compartilhar com os irmãos e irmãs o que os cristãos de uma cidade da América Latina, chamada San Marcos, no país de El Salvador, fizeram. Eles sofriam terrivelmente com uma epidemia de dengue. Gemiam com feridas psicológicas e sociais causadas por séculos de opressão e 12 anos de guerra civil; 75 mil pessoas haviam morrido e 20% da população fugiram do país. A cultura da violência ficou encalacrada no povo e continuou sendo praticada com um alto número de latrocínios e homicídios. Isso começou a mudar quando o povo de Deus da cidade de San Marcos decidiu interferir na sua história. As igrejas desta cidade resolveram não ser somente expectadoras da gravíssima epidemia de dengue, mas ser parte da solução. Os evangélicos passaram a orar juntos; começaram a fazer campanhas de informação ao povo sobre os meios de erradicar a epidemia; a cuidar dos enfermos; a oferecer também ajuda espiritual; e fizeram parcerias com a prefeitura daquela cidade.

As reuniões de oração, que a princípio objetivavam o fim da dengue, ampliaram-se. Os cristãos estavam realmente incomodados com o alto índice de violência de sua cidade, que era o mais elevado do país. Os líderes começaram a promover uma grande conscientização, mostrando a necessidade urgente de mudanças sócio-culturais e espirituais, além das sanitárias. Houve um forte mover de oração.

As mudanças em San Marcos foram aparecendo gradualmente e não só porque eles queriam ver a transformação de sua cidade, mas, porque Deus, mais do que ninguém, queria este momento. O secretário da saúde converteu-se a Cristo; depois assessores e médicos, bem como os doentes atendidos por aquele grupo de cristãos.

O problema da dengue foi resolvido, os índices de violência começaram a despencar, as igrejas começaram a crescer saudavelmente e novas comunidades de fé foram plantadas onde não havia igrejas. Antes, devido à bandidagem, não havia nem mesmo caixas eletrônicos instalados e, em janeiro de 2002, San Marcos que tivera o maior índice de violência da América Central, foi declarada "livre da violência" pelas polícias local e federal (Fonte: Amaury Braga Júnior, coordenador internacional de oração da DAWN - Discipling the Whole Nation - Discipulando Toda a Nação - Ministries e do Brasil 2010).

Da mesma forma, devemos entender que não podemos ficar só assistindo as coisas ruins que acontecem em Maringá, em toda a região, no Paraná ou em nossa nação, mas sim, precisamos agir, sabendo que a melhor ação começa na oração (não termina com oração, mas começa nela) e Deus com certeza irá guiar seu povo a novos caminhos que trarão mudanças em nossa cidade, região, estado e nação.